segunda-feira, janeiro 29, 2007

"Tendas quentinhas"

Foi um dia de correria pelo Distrito de Beja. Primeiro Ministro e extensa comitiva ministerial começaram por visitar as obras da Barragem do Pisão, que é parte integrante do projecto Alqueva. Visitar não é bem o termo já que foi só uma olhadela para uma infraestrutura de cimento, que tava frio, e vamos lá para uma vasta explicação numa tenda quentinha.

Seguiu-se a visita a uma fábrica de enchidos, onde de visita foi só um curto olhar para umas funcionarias que enchiam chouriços pro boneco, e acenar de longe (nem pro boneco deu!), e vamos lá pra outra tenda quentinha "botar faladura". Após um almoço privado, em que os jornalistas tiveram que se desenrascar lá fora, (não é prática habitual em comitiva), e mal iniciaram o cafézito viram os bólides do executivo passar acelerados...bora lá pessoaaaaal!!! Espero que não façam isto aos jornalistas na visita à China!!!

Visita relâmpago a Mértola e a Serpa, e lá chegamos ao momento que foi deixado propositadamente para último (para que conseguissem arrastar os jornalistas atrás todo o dia), a colocação da primeira pedra do Aeroporto de Beja! Até essa foi a correr, que tava frio, e ali ao lado tava outra tenda quentinha (já vão três. Quanto custa isto?). A foto é desse momento, em que os ministros que foram só de passeio estão com ar descontraido, o que não acontece com José Sócrates... será que se constipou? A avaliar pela cara que fez o dia todo, foi mesmo um grande frete este passeio ao frio.Valeu pelas tendas quentinhas...

Em baixo temos a equipa de jornalistas que acompanhou o dia em foto de familia, mascarados de "Engenheiros de Alqueva". (Fotos: Nuno Veiga e António Carrapato).

6 comentários:

PNJ disse...

Querias, querias, um almocito na estalagem five stars. Vá lá um secretozito na tasca da Mina. Não te queixes. Podia ter sido bem pior.

António Pedro Valente disse...

Épa, fogo logo nesse dia não pude ir tambem queria ficar na foto :)
Um Abraço e até á proxima

L. Antão disse...

Os anúncios repetem-se vezes sem conta. A realidade tarda em chegar. É que quantos mais anúncios se fizerem do que se diz ir fazer mais parece que se faz.

Lupor disse...

Eh lá sr engenheroo

pg disse...

com uma equipa de engenheiros assim alqueva ja estava acabado há mais de 10 anos... e os tais 900 milhões podiam ser divididos pela classe jornalística regional. e o resto era conversa!

pg disse...

epah... agora é que eu me apercebi bem... neste dia ainda nao tinha estalado a história da independente pois não? senão o homem ainda ia pensar que tavamos a gozar com ele.